Dossiê da estria: causas e tratamentos

Além de ser uma maldição da qual quase nenhuma mulher escapa as estrias têm tratamento difícil, não é qualquer produto ou aparelho que some com elas. O dossiê da estria são respostas para as muitas perguntas sobre o assunto concentradas todas em um mesmo post. Quem responde as questões sobre essas coisas pavorosinhas é a fisioterapeuta Camila Cheloni, ela é do Centro de estética da clínica Alan Landecker localizada no Jardim Paulistano, SP.

1)    Quais os fatores desencadeantes das estrias?

Existem três teorias básicas para explicar as causas das estrias:

 a)    Teoria mecânica: acredita-se que a excessiva deposição de gordura no tecido subcutâneo, com subseqüente dano às fibras elásticas e colágenas da pele, seja o principal mecanismo do aparecimento dessas cicatrizes. As estrias também são consideradas seqüelas de períodos de rápido crescimento, quando ocorre a ruptura ou perda das fibras elásticas dérmicas. Exemplos clássicos são a gravidez, o estirão do crescimento em adolescentes e quando ocorrem grandes flutuações de peso.

b)     Teoria endócrina: as estrias podem aparecer como efeito colateral da cortisona, quando esta droga é usada para tratar uma determinada doença.

c)    Teoria infecciosa: processos infecciosos podem provocar danos às fibras elásticas, provocando o aparecimento das estrias. Alguns exemplos são a febre tifóide, tifo, febre reumática, hanseníase e outras infecções.

2)    Quem tem mais propensão a ter estrias?

As estrias são encontradas em ambos os sexos, com predominância no público feminino, principalmente a partir da adolescência. Entretanto, elas podem aparecer em todas as idades. Na mulher adulta saudável, a incidência de estrias é 2,5 vezes mais freqüente que no homem nas mesmas condições.

3)    Quais os principais tratamentos para minimizar/erradicar estrias?

As estrias são lesões irreversíveis, por isso não existem um tratamento que faça a pele voltar ao que era antes. Os procedimentos visam melhorar o aspecto das lesões, estimulam a formação de tecido colágeno subjacente, tornando-as mais semelhantes à pele ao redor. Quando a estria é recente, é possível tratá-la e até revertê-la com o uso de tratamentos como esfoliação, laser etc. Na verdade, quanto mais precoce for o tratamento, melhor será a resposta do paciente. As estrias brancas e com relevos são mais difíceis de se obter resultados satisfatórios com tratamentos estéticos. Durante o tratamento, a exposição ao sol deve ser evitada por dois meses, em média.

a)    Laser

Quando utilizado na fase avermelhada (imatura) da estria, o laser provoca um fechamento dos pequenos vasos sanguíneos e estimula a formação de um novo colágeno, dando à estria uma tonalidade próxima a da pele e uma diminuição do seu tamanho. Na fase esbranquiçada (madura), o laser atua, basicamente, estimulando a produção de um novo colágeno e visa somente a diminuição do tamanho da estria. São necessárias pelo menos 5 sessões, que podem ser mensais ou quinzenais. O método é indolor e o grau de satisfação dos pacientes vai de regular a bom. Quando o laser é associado a outras terapias, como cremes a base de ácidos, este resultado pode ser potencializado. O tempo de aplicação depende da quantidade e localização das estrias e varia de 10 minutos a 30 minutos. Após o procedimento, o paciente não deve se expor ao sol. O laser associado a outros tratamentos, como o peeling de cristal, potencializa o resultado.

b)    Tratamento com Ácidos

Alguns tipos de ácido, como o retinóico, estimulam a formação de tecido colágeno, melhorando o aspecto das estrias. Pode haver descamação e vermelhidão, sendo que a exposição solar deve ser evitada. É indicado para os dois tipos de estrias, mas em especial nas recentes (avermelhadas). O tratamento dura entre 4 e 6 horas e, após seu término, o paciente não deve  se expor ao sol. Deixar a pele descamar. Uma dica é não utilizar hidratantes na região para que a pele descame rapidamente e renove o tecido.

c)    Peeling de Cristal

Trata-se de um procedimento de ação mecânica mais intensa, com o qual a estria é bombardeada por um jato de microcristais de óxido de alumínio.  É um procedimento simples e de rápida recuperação indicado para todos os tipos e, em especial, para estrias recentes, onde o resultado é mais satisfatório e visível.  O tratamento dura em torno de 30 a 40 minutos e a exposição solar é proibida durante o tratamento e pelo período de um mês após o seu término.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
4 comments on “Dossiê da estria: causas e tratamentos
    • Oi Liege, é que essa entrevista nos foi enviada pela assessoria de imprensa da clínica. É normal que veja ela por aí porque ela foi enviada para muitas pessoas, não quer dizer que ninguém tenha copiado de ninguém. Entendeu?
      bjo, Lara

Deixe uma resposta para Liége Costa Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *