Dossiê do silicone: mitos e verdades

Acho que desde que eu percebi que era menina sempre quis ter seios grandões como os da minha mãe. A natureza me deu uma bela ignorada nesse quesito mas ainda não desisti. Tenho muita vontade de colocar mas nada muito grande.

Nessa entrevista o Dr. Alexandre Mendonça Munhoz, cirurgião plástico que atua em São Paulo, tira várias dúvidas sobre o assunto. Espero que ajude a alguma leitora que esteja, como eu, pensando em dar uma turbinada no visual.

1)      A mamoplastia de aumento é indicada para todas as mulheres com seios pequenos?

Sim, de maneira geral. Todavia, os aspectos relacionados ao volume mamário inicial, antes do procedimento, e ao desejado pela mulher devem ser avaliados de maneira criteriosa. Em algumas situações, nas quais existe presença de tecido mamário associado com certo grau de ptose (queda da mama), pode-se apenas reposicionar a mama, sem a necessidade de implante de silicone. Para isto, é fundamental a avaliação física da paciente e a ponderação quanto ao volume final desejado. Caso não haja queda da mama e essa relação seja desfavorável, os implantes de silicone estão bem indicados.

2)      Como descobre-se o quanto é saudável e esteticamente aconselhável aumentar os seios, para evitar exageros?

Uma avaliação criteriosa e a discussão de todas as possibilidades são fundamentais para a escolha adequada e o bom resultado. Ademais, a ponderação de alguns fatores subjetivos e objetivos são habitualmente empregados na indicação do implante mamário de silicone. Fatores subjetivos estão mais relacionados com a individualidade de cada mulher e se baseiam em critérios próprios de imagem corporal. Habitualmente, as mulheres se sentem insatisfeitas com a projeção, ou a não adequação da mama a determinadas roupas e decotes. Já os fatores objetivos são empregados pelo próprio cirurgião e estão firmadas em medidas de proporcionalidade da mama em relação à estatura, largura dos ombros e dimensão do tórax, além da simetria com a mama oposta. Desta forma, a mulher pode apresentar uma queixa individual de volume pequeno e no exame físico constatarmos que existe uma insuficiência de volume em relação às proporções mencionadas e desta forma a cirurgia estaria bem indicada.

3) E quanto à escolha do formato e tamanho da prótese para evitar os excessos?

Em relação à escolha do implante, alguns fatores são fundamentais para se conseguir um resultado natural e a satisfação com a cirurgia. Deve-se optar por implantes mais modernos e que apresentem características, como coesividade e revestimento texturizado de última geração. Normalmente, a paciente relata seu desejo e sua idéia de mama ideal ou de imagem corporal. Em seguida, calculamos de maneira objetiva a largura (base) e a altura da mama, com o intuito de determinar as possibilidades de volume de implante para aquela anatomia específica. Vale salientar que cada mulher tem uma anatomia individual e com valores próprios de base e altura. Um determinado volume que seria muito grande para uma determinada mulher talvez seja insuficiente para outra uma vez que as dimensões mamárias e do tórax são distintas. Além disso, utilizamos a prova de moldes, frente aos tamanhos já previamente selecionados e, neste momento, decidimos em conjunto entre 2 a 3 tamanhos diferentes.

4) Como adequar os modelos e projeções às características corporais de cada paciente?

Quanto à forma, podem existir algumas indicações específicas. Alguns implantes com forma e projeções diferentes são mais definidos de acordo com a anatomia de cada paciente. Geralmente, os implantes de perfil baixo (pouca projeção) são mais indicados para mulheres que não desejam o colo cheio e querem apenas um preenchimento suave com resultados mais discretos. Estes modelos também podem ser indicados para casos de assimetrias mamárias, quando se planeja aumentar um pouco a mama menor com objetivo de torná-la mais parecida com a mama maior. Já os implantes de perfil alto ou mais projetados são bem indicados para pacientes que desejam o colo cheio e mais perceptível. São também indicados para mulheres que têm maior flacidez de pele, pois preenchem mais, além de poderem ser associados com cirurgias de suspensão de mamas (correção de queda mamária).

Os modelos anatômicos (em gota) de última geração apresentam como característica a maior projeção na região centro-inferior da mama e menor projeção na parte superior (mais naturais), por isso são habitualmente indicadas para mulheres que desejam maiores aumentos, porém querem um formato de mama mais natural (não redondo). Tem ainda excelente indicação em mulheres muito magras ou mesmo atletas, onde os resultados respeitam a anatomia da mama. Atualmente existe na quinta geração de implantes, uma amplitude muito variada de sub-modelos que diferem quanto a largura, altura e projeção. Desta forma permite-se uma maior opção de escolha para diferentes pacientes.

5)      Mesmo as próteses mais modernas devem ser substituídas com 10 anos de uso?

Nenhum implante mamário de silicone é vitalício e como qualquer material sintético sofre um desgaste natural com o passar dos anos. Alguns estudos que avaliaram os implantes de última geração demonstram bons resultados em períodos superiores a 10 anos. Isto é decorrente da baixa incidência de contratura capsular e rompimento do implante uma vez que promovem uma menor interação com o organismo e apresentam um maior número de camadas, fato este que promove maior resistência. Modelos mais recentes mostram resultados seguros com 15 a 20 anos na grande maioria das pacientes e isto é proveniente da evolução do revestimento dos implantes e da qualidade do silicone gel. Desta forma, há uma tendência mundial no maior emprego de implantes com superfícies texturizadas e de última geração. Confeccionadas também de silicone, essas superfícies apresentam inúmeros poros microscópicos e com distâncias e profundidades pré-estabelecidas e que influenciam no comportamento da fibrose pós-operatória. Com o passar dos anos, é importante a paciente realizar acompanhamento com seu cirurgião plástico e em conjunto e associado com os exames de imagem determinar a melhor época da substituição.

6)      A prótese pode mesmo estourar ou explodir com um impacto brusco?

Há relatos esporádicos de ruptura do implante pós-trauma externo, como quedas de grande altura ou impacto de material em alta velocidade. Em sua maioria são implantes muito antigos, já com desgaste natural e que possuíam um número menor de camadas de revestimento. Todavia, em condições normais e sendo o implante de última geração e com as características já mencionadas, como texturização e coesividade, a probabilidade deste evento ocorrer é praticamente nula. Vale lembrar que ainda existem implantes salinos (preenchidos com soro), muito utilizados nos EUA, e que apresentam o risco de ruptura e saída do soro fisiológico.

7)      A colocação de próteses interfere no exame do toque e um possível diagnóstico precoce do câncer de mama? Quem tem prótese é mais propensa a desenvolver o tumor?

Em relação à cirurgia de aumento de mama, vários trabalhos científicos que avaliaram mulheres com e sem implante de silicone mostraram que a incidência de câncer de mama é semelhante nos dois grupos avaliados e não há qualquer relação entre o implante e o desenvolvimento do câncer.

Todavia, um trabalho muito interessante, publicado em 2006 por Handel e Silverstein da Universidade da Califórnia/Los Angeles (revista Plastic and Reconstructive Surgery) avaliou mais de 4000 mulheres que tiveram diagnóstico de câncer de mama e comparou quanto a incidência, momento do diagnóstico e tamanho do tumor no grupo com e sem cirurgia prévia de aumento de mama. Observou-se que a incidência de câncer e o momento do diagnóstico foram semelhantes nos 2 grupos avaliados. Todavia, nas pacientes com prótese de silicone observou-se que os tumores foram detectados em um tamanho menor que nas pacientes sem prótese. Tal fato, os autores atribuíram que a presença da prótese de silicone serviria como um anteparo no momento do auto-exame e aumentaria a sensibilidade na palpação de tumores menores e facilitando desta forma o auto-exame.

8)      É mais difícil realizar mamografia em quem usa prótese nos seios?

Existe a necessidade de aparelhos e posicionamento especial de modo a deslocar a prótese da frente da mama e desta forma permitir uma adequada visualização do parênquima mamário. Atualmente, em bons centros de radiologia e com técnicos preparados e radiologistas experientes, a dificuldade de posicionamento e visualização ocorre em uma porcentagem mínima de mulheres. Antes do advento da ressonância magnética e com a menor experiência dos radiologistas na avaliação de pacientes com implantes de silicone, havia uma menor sensibilidade da mamografia na avaliação de toda a extensão da glândula mamária. Atualmente, com a maior experiência nas cirurgias plásticas de mama e a utilização de outros exames em associação com a mamografia, como o ultrassom e a ressonância magnética, este aspecto negativo é desprezível. Neste grupo em específico, pode-se complementar o exame de imagem com análises complementares, aumentando desta forma a sensibilidade na visualização de toda a mama.

9)      Durante o tratamento do câncer de mama a prótese de silicone já implantada pode atrapalhar?

De maneira geral não. Atualmente, a prótese de silicone é uma das principais técnicas de reconstrução mamária empregada após a retirada do tumor. Em algumas situações, existe a necessidade de um maior planejamento técnico e pode existir a necessidade de troca desta prótese e simetrização com a mama contra-lateral. Todavia, o tratamento é semelhante ao realizado em pacientes sem implantes.

Espero que tenham curtido, quanto mais leio sobre o assunto mais quero fazer logo!

—-> Para participar da seção de leitoras do blog mande um email para: larafotos@gmail.com e faça sua pergunta sobre qualquer assunto relacionado a moda e beleza, dê sua dica de beleza, truque de dieta, penteado, fotos de um esmalte bonito que você curtiu, dica de alguma loja virtual que você adora . Mande seu email e participe do blog. Bjokas, Lara.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
,
One comment on “Dossiê do silicone: mitos e verdades
  1. Pingback: Vale a pena ler #5 | Beleza Sem Tamanho

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>